por 16:23 Brasil, Destaques, Internacional, Política

Em tentativa de alusão a 1964, bolsonaristas marcham em Brasília e outras cidades

Neste domingo (11), apoiadores do presidente brasileiro Jair Bolsonaro (sem partido) saíram às ruas de diversas cidades na Marcha da Família Cristã pela Liberdade, em tentativa de repetir as famosas marchas conservadoras de 1964.

A quase homônima Marcha da Família com Deus pela Liberdade, em 1964, reuniu grupos conservadores religiosos que respaldaram o golpe militar ocorrido naquele ano, sendo realizada em mais de uma ocasião.

Dessa vez, os manifestantes foram às ruas com faixas contra medidas restritivas de combate à COVID-19, incluindo a recente decisão do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) de garantir que governos locais imponham restrições a aglomerações em cultos religiosos com o objetivo de conter o avanço de casos e mortes pela doença.

©
Folhapress / Fotoarena / Leo Bahia

Em Brasília, bolsonaristas realizam Marcha da Família Cristã pela Liberdade, repetindo famoso protesto da Ditadura Militar, em 11 de abril de 2021

A principal cidade do protesto foi Brasília, onde algumas centenas de manifestantes marcharam na Esplanada dos Ministérios. Além das faixas de apoio a Bolsonaro, contra as medidas de restrição e de pedidos de intervenção militar, foram erguidas diversas bandeiras de Israel e do Brasil-Império nos protestos.

©
Folhapress / Futura Press / Saulo Angelo

No Rio de Janeiro, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participam da Marcha da Família Cristã pela Liberdade, em 11 de abril de 2021

Nas redes sociais, imagens e vídeos foram compartilhados mostrando a marcha em outras cidades, como em Campinas, interior de São Paulo, e também no Rio de Janeiro. Nessas cidades, as manifestações foram menores que a realizada em Brasília.

​A marcha contra medidas de restrições sociais ocorre também em meio ao pico de casos e mortes da COVID-19 no Brasil. Atualmente, a média móvel diária de óbitos supera três mil no país, que acumula mais de 351 mortes causadas pela doença e convive com um quadro de colapso sanitário.

com informações da Agência Sputink

Fechar