0 Shares 644 Views

Hussein Bakri destaca unanimidade em aprovação do Programa de Compliance do Governo

13 de maio de 2019
644 Views

 

Projeto do Governador Ratinho Junior foi aprovado em sessão da Assembleia Legislativa desta segunda-feira

Por unanimidade, a Assembleia Legislativa aprovou, nesta segunda-feira (13), a proposta do Governo do Estado que institui o Programa de Integridade e Compliance no Poder Executivo. O projeto, assumido como compromisso de campanha pelo Governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), estabelece mecanismos de combate à corrupção, transparência pública, controle interno, gestão eficiente de recursos públicos, punição de agentes públicos por desvios de conduta e aprimoramento da relação Estado-cidadão.

“O respeito à moralidade e à eficiência administrativa não pode ficar apenas no discurso. Por isso, o Governador está colocando essas medidas no papel e fazendo do Paraná o primeiro Estado do país com um programa dessa natureza. O recado das urnas foi claro: a corrupção não será tolerada em nenhum nível da administração estadual”, destacou o deputado Hussein Bakri (PSD), Líder do Governo na Casa.

Na lista de objetivos do novo programa estão a adoção de princípios éticos e normas de conduta, bem como a certificação do seu cumprimento; o estabelecimento de medidas que previnam possíveis desvios por parte dos agentes públicos; o fomento à inovação no Executivo estadual; e o aperfeiçoamento da estrutura de governança pública, além da criação e do aprimoramento da gestão de riscos e dos controles da administração pública.

Pelo texto aprovado, cada órgão da administração direta e indireta terá seu próprio Plano de Integridade. O documento vai trazer os principais riscos de integridade da organização, as medidas e preceitos de tratamento dos riscos identificados e a forma de implementação e monitoramento do Programa de Integridade e Compliance. As normas serão elaboradas pelos Núcleos de Integridade e Compliance, que serão vinculados à Controladoria-Geral do Estado, mas estarão sediados fisicamente dentro de cada órgão.

Para efetiva implantação do programa, são previstas 11 fases no total, conforme estruturação a ser definida posteriormente pelo Governador: identificação e classificação dos riscos; estruturação do Plano de Integridade; definição dos requisitos, como medidas de redução dos riscos identificados; elaboração de matriz de responsabilidade; desenho dos processos e procedimentos de controle interno, geração de evidências e respectiva implementação desses processos e procedimentos; elaboração do Código de Ética e Conduta; comunicação e treinamento; estruturação e implementação do Canal de Denúncias; realização de auditoria e monitoramento; ajustes e retestes; e aprimoramento e monitoramento do funcionamento do programa.

Da mesma forma, o Governador vai disciplinar, após a sanção da lei, a composição, estrutura, procedimentos e atribuições do Comitê de Integridade e Compliance, cujo objetivo será garantir a efetividade de todas as ações previstas. O projeto aprovado prevê que sociedades de economia mista e empresas públicas não serão abrangidas pela medida, pois são reguladas pela Lei Federal 13.303/2016. Depois de sancionada, as novas diretrizes entrarão em vigor num prazo de 60 dias.

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.