0 Shares 137 Views

Michel Temer recusa pedido de Dilma para ajudar na recriação da CPMF

28 de agosto de 2015
137 Views

Michel Temer recusa pedido de Dilma para ajudar na recriação da CPMF

Comunicada de que havia irritado o vice-­presidente ao deixá-­lo de fora das tratativas sobre a recriação da CPMF, a presidente Dilma Rousseff telefonou nesta quinta-­feira (27) para Michel Temer e pediu ajuda para defender a volta do imposto.

O vice, porém, criticou a proposta, disse que haveria muita resistência no Congresso e que não poderia fazer nada para levar a ideia adiante.

Segundo a Folha apurou, a conversa foi bastante dura e classificada por aliados como “o primeiro embate direto” entre Dilma e Temer. Até agora, os dois mantinham uma relação distante, mas cordial.

A discussão sobre a volta do tributo sobre transações financeiras, extinto em 2007 e agora visto pela equipe econômica do governo como essencial para equilibrar as contas públicas, pegou Temer de surpresa.

Em viagem a São Paulo, o vice afirmou na manhã de quinta (27) que o tema era só “um burburinho”, sem saber que Dilma estava reunida no Palácio da Alvorada com os ministros de sua equipe econômica e Arthur Chioro (Saúde) para discutir a real viabilidade de recriar o imposto.

A reação dos peemedebistas ligados ao vice foi imediata. Deputados e senadores afirmam que se o PMDB precisava de algo concreto para se afastar do governo encontrou: a CPMF.

Segundo a assessoria do vice-­presidente, porém, Temer nega que não vá colaborar com o governo. Durante a conversa, o vice fez uma avaliação das dificuldades que a matéria enfrentará no Congresso Nacional e deu sugestões que a presidente acatou e vai tentar colocar em prática para tentar diminuir essas resistências. Em nenhum momento houve, diz a assessoria, houve um embate ou discussão entre os dois.

SUSTO

A repercussão negativa do principal aliado, além de políticos e empresários que se opõem à recriação do tributo, assustou integrantes do governo.

No Palácio do Planalto há quem defenda enviar a recriação da CPMF ao Congresso na segunda-­feira (31), junto com a proposta Orçamentária para 2016. Ministros do núcleo político do governo, no entanto, ainda tentam dissuadir a equipe econômica. O martelo será batido até domingo (30).

Na noite desta terça, Temer se reuniu com empresários em jantar na Fiesp e disse que quer ser o “advogado” do setor produtivo na superação da crise. Durante o encontro, ouviu críticas ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e, segundo relatos, não fez nenhum defesa enfática da presidente.

Nesta sexta (28), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ironizou a proposta do governo : “Acho que o governo pode unir o PMDB novamente com a nova CPMF. Todos contra: eu, Michel Temer e Renan Calheiros [presidente do Senado]”.

Mais notícias para você:



Leave a Comment

Your email address will not be published.