0 Shares 248 Views 2 Comments

O centro da questão bancária brasileira, por Zé Dirceu

10 de maio de 2012
248 Views 2

“A piora dos indicadores, especialmente os externos, abre espaço para quedas adicionais dos juros básicos, mas ao mesmo tempo parece impor uma cautela adicional aos agentes econômicos”.

Já que os outros argumentos são irrelevantes e insustentáveis destaquei a frase acima da longa nota do economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN), Rubens Sardenberg, porque acredito que ela expressa bem o centro da questão bancária brasileira.

Uma vez que um dos principais agentes econômicos quando se trata de crédito e juros é a FEBRABAN e dois bancos – Bradesco e Itaú-Unibanco – a pergunta a ser feita é: os dois bancos atenderão ao interesse público ou aos seus e de seus acionistas?Eles aumentarão o crédito e reduzirão os juros ou continuarão a manter os atuais spreads e regras excessivamente rígidas para os empréstimos? Continuarão a viver da tesouraria ou aceitarão o risco de fazer o país crescer reduzindo os juros e ampliando o crédito?

Aceitarão passivamente a tendência de não emprestar dada a situação internacional ou aproveitarão a oportunidade para crescer para dentro e no nosso entorno natural a América do Sul e a América Latina?

A questão central é essa: os bancos, que funcionam mediante autorização pública e garantidos pelo poder público, por delegação do Estado, podem decidir pelo país, pela nação ou são parte dela e devem acompanhar o poder público legitimado pelo Parlamento em busca do desenvolvimento nacional?

Mais notícias para você:



2 Comments

  1. O Sistema Financeiro Nacional precisa ser regulamentado. O artigo 192 da Constituição foi totalmente desfigurado, sobrando apenas o seu caput. Para mudar essa relação que os bancos tem com o Brasil é preciso que a sociedade organizada se envolva. Nossa proposta é a Conferência Nacional do Sistema Financeiro, precedida por conferência estaduais e até municipais.

    Reply
  2. O Sistema Financeiro Nacional precisa ser regulamentado, pois o artigo 192 da Constituição Federal foi totalmente desfigurado e resultou apenas o seu caput, que aguarda 22 anos para ser regulamentado. Para que o Sistema Financeiro atue em prol do desenvolvimento nacional deve haver mais envolvimento da sociedade organizada neste assunto. Propomos a Conferência Nacional do Sistema Financeiro, precedida de conferência estaduais e até municipais. Se isso não acontecer, continuaremos com um artigo morto na Constituição e o povo pagando a conta dos lucros estratosféricos.

    Reply

Leave a Comment

Your email address will not be published.