0 Shares 55 Views

Futuro ministro da Cidadania, Osmar Terra propõe limite para venda de bebidas alcoólicas

21 de dezembro de 2018
55 Views

Há algumas semanas, o médico gaúcho e deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), de 68 anos, recebeu de Jair Bolsonaro a missão de controlar um “monstro”. É como se refere à grandeza do futuro Ministério da Cidadania , que concentrará Desenvolvimento Social, Cultura e Esporte. Formado em neurociência, Terra buscou na medicina os preceitos que passou a defender na política. É radicalmente contra o uso de drogas, incluindo o consumo de bebidas alcoólicas. As informações são de Robson Bonin e Pedro Henrique Gomes n’O Globo.

Ele recebeu O GLOBO nesta quinta-feira logo após de anunciar seu secretariado: o general Marco Aurélio Vieira, no Esporte, o deputado Lelo Coimbra, no Desenvolvimento Social, e o jornalista Henrique Medeiros, na Cultura. Terra confirma o décimo terceiro do Bolsa Família e revela ter discutido com o presidente um projeto para limitar o horário de venda de bebidas no país.

Como integrar Esporte, Cultura e Ações Sociais?
Antes de sair do governo Temer, fui à Islândia conhecer o programa de juventude que mais reduziu o consumo de drogas na Europa. Eles saíram da juventude que mais usava drogas para a que menos usa hoje. O eixo principal é o esporte, a música e a dança. Ele mantém o pessoal permanentemente ocupado. É claro que é um país de 500 mil habitantes. Eles têm circunstâncias diferentes. Não deixam expor bebidas alcoólicas em nenhum lugar, têm um toque de recolher. Depois das 22h, jovens com menos de 18 anos não podem andar sozinhos na rua. Claro que é uma realidade bem diferente. Mas aqui, por exemplo, se reduzir o horário de venda de bebidas alcoólicas em restaurante, em bar, é uma coisa que se pode pensar. Podemos fazer junto com o Moro, na Justiça, uma política de redução da violência.

Limitar o horário de venda de bebidas no país?
Sim. A maior parte dos acidentes e mortes causadas por pessoas embriagadas acontecem sempre depois da meia-noite. Acho que podemos colocar alguns limites para venda de bebidas em lugares mais violentos. Não precisa ser em todo o país. Dá para mapear a violência. Há lugares que têm mais homicídios. A experiência de Diadema (SP) está publicada em livros. Reduziu muito o número de homicídios. Era a cidade que mais tinha homicídios em São Paulo e hoje é das que têm menos. A bebida ajuda, né. Diadema colocou até meia-noite, uma da manhã o limite. Depois disso, não se pode vender.

O senhor já levou ao presidente esse projeto?
É, a gente está conversando sobre isso. Um projeto integrado com a Justiça. É um assunto que estamos discutindo, mas ainda não tomamos nenhuma decisão a respeito. O objetivo é tornar o esporte o “barato” que a droga dá à juventude. Música e esporte. Esse é o principal.

O começo do governo vai ser marcado pelo improviso visto na transição?
Não sei nem se o presidente esperava ser eleito. Na verdade, foi para marcar uma posição. Bolsonaro começa no movimento contra tudo que estava aí. E a população acreditou e ele se elegeu. É um aprendizado. Todo governo é assim. O próprio governo do Lula, quando começou, todo mundo achava que ele era um cara muito honesto, que ia ser o governo da ética. Ele foi tateando. Eu acho que o Bolsonaro está cercado de gente preparada.

Um governo que ignora partidos funciona no Congresso?
Eu acho que a maneira como o presidente montou o governo aponta para uma forma de agir diferente. O presidencialismo de coalizão foi a causa de todos esses problemas que tivemos, ou seja, a causa da corrupção. O fato de o Sergio Moro estar na Justiça e o Paulo Guedes na Economia já é uma mudança importante.

Quando chegar um líder partidário com aquela conversa, querendo indicar apadrinhados, o que o senhor vai dizer para ele?
O presidente pediu que a gente tenha uma meta e contrate gente capacitada para cumpri-la. Não vou colocar um cabo eleitoral do líder (partidário), entendeu? Alguém que venha aqui para fazer caixa 2, caixa 3 ou caixa 4. Isso acabou.

Como vai administrar essa superpasta sem dinheiro?
Esse ministério é um monstro, né. Não é totalmente sem dinheiro. Tem que ter foco no desenvolvimento humano. Desde a primeira infância até a atividade cultural, atividade esportiva, combate à pobreza, transferência de renda.

Qual será o papel da primeira-dama, Michelle?
Ela mostrou interesse nas pessoas com necessidades especiais. A parte mais vulnerável da sociedade. Vai participar de tudo que tiver nessa área, vai dar apoio nos anúncios, divulgação… A primeira-dama tem um poder de divulgação enorme.

Alguma mudança no Bolsa Família?
Estamos estudando. Uma já está garantida, que é o compromisso do presidente de dar o 13º em 2019.

Como lidar com a Lei Rouanet e programas do Esporte?
Vamos fazer um pente-fino, com certeza. A Lei Rouanet não pode acabar, é importante. Mas tem que ter uma revisão das normas, eliminando a possibilidade de desvio. Não vou cortar dinheiro de quem está fazendo o trabalho correto. O que vamos fazer são regras para popularizar mais. Não elitizar o dinheiro.

Artista famoso vai receber?
Isso vai ser melhor distribuído. Não tem cabimento ter banco usando a Lei Rouanet para fazer livro que é, na verdade, propaganda do próprio banco. E tem artista com espetáculo garantido e está usando. Não tem sentido. Pode até dar para um artista famoso, mas tem que ter uma série de obrigações. Não ficar dando toda hora. O nosso teatro não vive sem a Rouanet. É bom porque mantém o teatro vivo, mas é importante o artista colocar a alma no que faz.

E o cinema nacional?
Tem bons diretores. Mas a maioria das produções tem um resultado muito pequeno de bilheteria. Alguma coisa está errada. Pelo que conversei com o pessoal da Ancine, eles estão dando uma média de R$ 4 milhões por filme e essas obras estão atingindo no máximo 18, 19 mil espectadores. Temos que melhorar aí. Talvez ter um filtro maior para roteiro. Uma exigência maior para coisas que deem impacto.

O presidente falou alguma coisa com os ministros sobre o caso do Coaf?
O que ele falou é que doa a quem doer, tudo tem que ser investigado e ser passado a limpo. Não pode deixar dúvidas sobre o comportamento do governo. Tanto é que ele botou o Moro lá e disse isso ao Moro.

link entrevista
https://oglobo.globo.com/brasil/futuro-ministro-da-cidadania-osmar-terra-propoe-limite-para-venda-de-bebidas-alcoolicas-23320396

Mais notícias para você:



Leave a Comment

Your email address will not be published.