Abandono de animais domésticos – Artigo de Marcello Richa

 

Presidente do ITV-PR, Marcello Richa(2)(1)O Brasil enfrenta uma difícil realidade relacionada ao abandono de animais domésticos, que tem se acentuado com a crise econômica que afeta o país. De acordo com pesquisa promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), já existem mais de 30 milhões de cães e gatos abandonados no país, um dado alarmante que reflete uma negligência nos cuidados com os animais domésticos e um problema sério de saúde pública.São diversas situações que ampliam os desafios para enfrentar essa realidade. Em termos individuais, temos que começar do básico que é reconhecer a responsabilidade que assumimos ao decidir ter um animal doméstico, uma vez que estamos falando de um ser vivo que precisa de atenção, cuidados, afetividade e planejamento, tanto financeiro quanto pessoal.

A criação de um animal doméstico exige que seja oferecido um ambiente adequado para seu desenvolvimento, bem como um comprometimento constante com os cuidados de acordo com as características de cada raça. Vale ressaltar que Pesquisa Nacional de Saúde (PNS 2013) indicou que 25,6% dos lares com cães e gatos não tinham dado a vacina de imunização contra a raiva um ano antes (vacina que deve ser feita anualmente).

Já em um âmbito mais amplo, o enorme número de animais domésticos abandonados gera um problema de controle de natalidade de cães e gatos que se agrava a cada ano. Pesquisa promovida pela Universidade de São Paulo (USP) apontou que a população de cachorros apresenta um crescimento de 6% ao ano, enquanto a de gatos cresce 12% ao ano.

Os números acentuam a importância do trabalho de controle de natalidade dessas raças tanto no aspecto humanitário quanto de saúde, uma vez que sem os cuidados apropriados eles podem transmitir doenças, vasculhar e espalhar lixo e servir como hospedeiros de enfermidades. No Paraná em particular, que é o estado que apresenta o maior número de domicílio com cachorros do país, a atenção precisa ser redobrada.

Nos últimos anos o poder público em todas as esferas e entidades de proteção animal fortaleceram o trabalho em conjunto para reverter esse quadro. Novas legislações, como a recente Lei n.º 13.426, que cria uma política de controle de natalidade de cães e gatos, e ações e programas que visam à adoção, registro, microchipagem e esterilização gratuita têm apresentado avanços importantes nos municípios.

Ainda temos um longo percurso pela frente, uma vez que é perceptível que falta estrutura e, especialmente, fiscalização em relação aos crimes contra os animais, cujas penas no Brasil são brandas e geralmente revertidas em multas ou trabalhos voluntários. Enraizar uma cultura de respeito e cuidado com os animais domésticos exige que todos nós façamos parte desse processo, batalhando por melhorias, denunciando maus-tratos e disseminando informações para estimular a guarda responsável.

Marcello Richa é presidente do Instituto Teotônio Vilela do Paraná (ITV-PR)


 
 

1 Comentário

  1. BASTA SEGUIR O EXEMPLO DOS HOLANDESES ,COM MUITAS PESADAS E RESPONSABILIZANDO O DONOS COM LEIS PEADAS NO QUE DIZ RESPEITO A MAUS TRATOS OU ABANDONO ELES CONSEGUIRAM DE FORMA DIGNA E RESPONSAVEL RESOLVER ESSE PROBLEMA .SIGAM ESSES EXEMPLOS .AGORA SE ENFIAR CARROCINHA OU OTRA MERDA O CONTROLE DE NATALIDADE VAI SER OUTRO .POIS VOU MATAR UM POR UM DESSES FDO DE CARROCINHA QUE APARECER AQUI OU EU ENCONTRAR NA FRENTE .PORTANTO SE NAO QUISER TER GASTO COM HOSPITAL OU UTI QUE E AONDE ESSES FDP VAO PARAR SE A GENTE PEGAR SIGA O EXEMPLO DOS HOLANDESES .SE ESSA BICHONA DESSE PREFEITO DE MERDA RATIAR MATA ELE E POEM ALGUEM COM CULHAO P. FAZER ISSO.CORRETO PASSAR BEM.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.

© 2017 Boca Maldita

Layout por Poolbliq ComunicaçãoUp ↑